Categorias
Gestão empresarial

Guia Completo: Como Fazer uma Pesquisa de Clima Organizacional

Você sabia que dentre as 26 causas para alguém ser feliz no seu trabalho, as quatro primeiras são relacionadas com a experiência pessoal, colegas e líderes? Pois bem, uma Pesquisa de Clima Organizacional vai lhe proporcionar saber como esses e diversos outros fatores são na vida de seus colaboradores.

Visto isso, empresas dos mais variados segmentos têm buscado entender cada vez mais como está o clima dentro da organização, a fim de que seus funcionários se sintam bem e tenham suas necessidades atendidas, visando impulsionar o resultado individual.

Para saber mais sobre a importância de uma Pesquisa de Clima Organizacional basta clicar aqui.

PASSOS PARA COLOCAR UMA PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL EM PRÁTICA!

Foi pensando nesse contexto que a FCAP JR. Consultoria desenvolveu um guia prático com diversos direcionamentos para executar uma Pesquisa de Clima Organizacional que consiga levantar o máximo de insumos possível. Abaixo, listamos algumas dessas principais práticas:

1) Planejamento

Antes de tudo, deve-se estudar a fundo sobre esse tipo de pesquisa: entrar em contato com pessoas que tenham experiência no assunto, sempre trazendo para realidade cultural da sua empresa. Também é importante pressupor alguns problemas que podem surgir com o andamento da pesquisa e saber onde buscar a solução para eles.

2) Garantir a sinceridade dos stakeholders

Para a pesquisa ser bem sucedida, é fundamental que as respostas sejam as mais fidedignas possível. Para isso deve-se seguir algumas práticas:

– Não pedir o nome: o funcionário se sentirá mais aberto a ser sincero caso ele responda a pesquisa de modo anônimo.

– Colocar a maioria dos funcionários para responder ao mesmo tempo: todos, se possível.

Não estipular o tempo em que deve ser respondido: deixar todos à vontade.

– Fazer um Workshop & Sensibilização para conscientizar os funcionários da importância que a pesquisa tem e as melhorias que ela poderia trazer no futuro.

3) Metodologia

Definir como será a Pesquisa quanto ao número de questões (cerca de 50 é o mais indicado), se as perguntas serão discursivas ou de múltipla-escolha (é recomendado o maior número de questões abertas possível e comentários nas questões de múltipla- escolha), qual a ferramenta de aplicação; dentre outras variações.

Sempre é importante deixar claro de que não existe uma metodologia perfeita que pode ser executada em qualquer organização. Cada empresa possui uma realidade distinta e, por isso, deve-se estudar diferentes métodos para adequá-los ao formato do seu negócio.

 

 

4) Elaborar o Questionário

A elaboração do questionário é um dos pontos cruciais para o sucesso da Pesquisa de Clima Organizacional. Para estruturá-lo, deve-se pensar em certos critérios, dos quais listamos alguns abaixo:

  • Pedir na pesquisa a área de atuação do colaborador para entender se é um problema geral ou específico de um setor.
  • Perguntar sobre o espaço físico no qual trabalha, o que pode melhorar, algo como iluminação ou tipo de assento, divisão do espaço…
  • Perguntar sobre remuneração e demais benefícios.
  • Se a pessoa recebe as informações e ferramentas necessárias para realizar seu trabalho.
  • Perguntar sobre a cultura de reconhecimento na empresa.
  • Identificação com cultura.
  • Relacionamento com o líder e com grupo.

5) Contato com Stakeholders

Informar sobre a Pesquisa a todos os colaboradores, lembrando-os da importância e do sigilo quanto à coleta de dados. Esse ponto é muito importante, uma vez que a qualidade das respostas depende exclusivamente do quanto os funcionários estão à vontade e confortáveis em responder o questionário. Esse alinhamento deve ser feito, preferencialmente, pelos líderes da organização.

6) Aplicação do Questionário

Colocar para os membros responderem. Nessa fase, é importante observar de que forma essa pesquisa deve ser feita, levando em consideração o público que irá respondê-la. Na FCAP JR. Consultoria, por exemplo, realizamos através de uma pesquisa online, criando um formulário e o compartilhando com todos os membros. No entanto, esse modelo pode não ser o ideal para empresas com outras realidades. Por isso, é preciso compreender qual o meio que poderá captar as respostas de uma forma mais  eficiente e fidedigna possível.

7) Análise dos Dados

Juntar as informações obtidas na Pesquisa, cruzando os dados coletados (pode-se utilizar o Excel para ajudar na tarefa). No cruzamento, deve-se considerar fatores como área de atuação do funcionário e o tempo de empresa. Comparar o resultado com outras Pesquisas de Clima Organizacional realizadas no passado também gera muitos insumos e é uma prática muito comum e eficaz.

8) Planos de Ação

Se o membro for sensibilizado e responder de forma fidedigna ao questionário ele vai esperar melhorias na empresa. Assim, deve ser esclarecido com todos os colaboradores quais foram os planos de ação, caso existam, pensados para resolver cada uma das problemáticas levantadas na pesquisa.

Esse ponto é muito importante para conseguir a colaboração de todos os funcionários em uma Pesquisa de Clima Organizacional futura.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Se você chegou até aqui é porque você compreendeu a importância de rodar uma Pesquisa de Clima Organizacional dentro da sua empresa. Lembre-se sempre de três pontos: engaje os membros, monte planos de ação e coloque-os em prática.

De nada adianta estruturar uma Pesquisa de Clima Organizacional com potencial de levantar uma série de insumos se essas informações não são utilizadas de uma boa forma. Afinal, qualquer organização depende de 3 variáveis: Pessoas, Processos e Estratégias. Caso as pessoas que planejam a estratégia ou as que a põe em prática por meio dos processos não estiverem em, o resultado da empresa será comprometido.

Categorias
Gestão Financeira

4 Estratégias de Gestão Financeira para Sua Empresa

 

Pensar estratégias de gestão financeira para sua empresa é vislumbrar em desenvolvimento. Sim, cuidar das finanças do seu empreendimento é sinônimo de crescer, e vamos te apresentar algumas dicas de como fazer isso.

A gestão financeira serve para melhor o controle administrativo dos recursos financeiros de uma empresa. Entre outras palavras, é tomar conta do dinheiro, a partir de processos ágeis, visando o crescimento econômico do negócio. Para isso, existem ações bem assertivas que devem ser incorporadas às estratégias de todos os tipos de empreendimento, confira nos próximos tópicos.

1 – Monte um plano orçamentário

Quem acabou de iniciar um negócio não aguenta mais escutar a palavra planejamento, porém, ela nunca deve sair de sua rotina. E não existirá uma gestão financeira sem um plano pré-estabelecido. Precisa estabelecer ou adotar métodos que ajudem a controlar a movimentação dos recursos financeiros.

Então elaborar um plano orçamentário (trimestral, semestral, anual, etc.) é uma estratégia indispensável. O formato básico desse plano consiste em:

  • Traçar objetivos que devem ser alcançados por meio de metas;
  • Criar políticas ou programas que viabilizem o controle orçamentário.

Para ilustrar isso podemos pensar numa empresa que estipula em seu orçamento anual menos gastos com sua frota de veículos, e quer atingir isto reduzindo o consumo de combustível. Esse plano é apresentado para os gestores responsáveis pela frota, e eles deverão criar programas que focarão em boas práticas que ajudarão para diminuir a despesa com etanol/gasolina.

2 – Crie mecanismos para avaliar o crédito oferecido aos clientes

Um dos grandes problemas que atinge os varejistas é a inadimplência dos seus clientes. Existem estratégias de gestão financeira que podem resolver isso? Sim.

Inicialmente pode oferecer limites de créditos seguros, que estejam dentro das limitações de renda de seus clientes. Um sistema de cadastro sólidos ajudará a montar isso. Mas, se felizmente a demanda de suas vendas é enorme, poderá contar com a ajuda da tecnologia para isso. No mercado existem ferramentas digitais que ajudam a analisar o perfil de crédito de muitos consumidores. Usando-as conseguirá ter um nível de precisão maior, e o risco da inadimplência reduz.

3 – Separe as despesas pessoais do fluxo de caixa de sua empresa

É comum que pequenos e médios empreendedores não desassociem suas contas pessoais do fluxo de caixa da empresa. Se faz algo similar, pare já! Uma gestão financeira para funcionar dentro de uma empresa, precisa focar nas despesas reais do negócio. Seus gastos como pessoa física são de sua responsabilidade, não de seu empreendimento.

Muitos iniciantes vislumbrados com os valores que entram em suas caixas registradoras, começam a retirá-los para fazer compras pessoais e pagar contas. Ao final de 6 meses estão com um buraco no orçamento sem precedentes.

O caminho certo, principalmente para quem estar começando, é separar uma parte do valor que irá investir e destiná-lo para manter sua casa por determinado período. Depois precisa definir uma espécie de pró-labore que irá sacar mensalmente, e assim manter seus custos pessoais. Ignorar essa estratégia é colocar em risco o futuro de seu empreendimento.

4 – Utilize a tecnologia para fazer o controle financeiro

Não adianta apostar na memória, anotações no caderno e até mesmo planilha: não conseguirá fazer a gestão financeira de sua empresa dessa forma. O ritmo dos mercados atualmente é outro. Pequenas e médias empresa precisam acompanhar os passos dos empreendimentos de sucesso. Esse caminho é utilizar um software ERP. Por quê? Vejamos.

Seu vendedor fecha compras, porém, não é ágil em encaminhar as notas ou outros documentos que comprovem a transação. Logo todas as vezes, demora a enviar a cobrança aos clientes. Usando um programa de gestão financeira isso acaba: o setor financeiro já consegue ver em telas orçamentos e vendas confirmadas, já visualizará as notas fiscais eletrônicas e poderá emitir os carnês de pagamento.

Também, não haverá mais problema na conciliação bancária. O programa para controle financeiro tem convênios com os principais bancos brasileiros, e poderá confirmar online se determinados boletos foram pagos. Esses são alguns dos exemplos de vantagens que sua empresa alcançará adotando esse tipo de tecnologia dentro de suas estratégias de negócio.

Percebemos o quanto é importante ter estratégias de gestão financeira sólidas. Somente com elas poderá pensar em expandir, que é o desejo natural de qualquer pessoa que se lança num empreendimento próprio. Analise todos os pontos e boa sorte!

 

Categorias
Marketing e Vendas

Guia completo: Como Implementar um CRM na Sua Empresa

Você tem tido problemas em manter o relacionamento com seus clientes em alguma etapa do seu processo de vendas? Tem dificuldades na captação de novos clientes e gostaria de aumentar a sua taxa de conversão? Um sistema CRM pode te ajudar a solucionar esses problemas! Continue lendo este post para entender um pouco mais do conceito e como implementá-lo na sua empresa!

Customer Relationship Management ou apenas CRM é o termo utilizado para designar o conjunto de práticas, ferramentas e estratégias de negócio voltadas para todo o gerenciamento do relacionamento com o cliente. O CRM pode ser aplicado em todo tipo de organização, desde microempresas até as gigantes do mercado, auxiliando todo o gerenciamento de interações com seus clientes, além de organizar todas as atividades atreladas a uma oportunidade de negócio e otimizar todo o processo de atendimento.

No entanto, embora bastante útil, implementar um CRM não é uma tarefa tão simples. Antes de fazê-lo, existem alguns pontos que devem ser cuidadosamente observados.

“Mas, que pontos são esses? O que devo fazer?”

Para responder essas perguntas, dividiremos o processo de implementação em etapas e explicaremos cada uma delas.

Conhecer suas principais dores e quais soluções um CRM trará para sua empresa 

Ter objetivos claros em relação à implementação de um CRM é fundamental para que esse processo seja bem sucedido. Saber o que leva sua empresa a demandar por uma ferramenta de CRM, quais são as dores e as possíveis soluções mais relevantes no cenário atual da sua empresa são pontos indispensáveis para traçar esses objetivos.

Para um melhor entendimento, listamos alguns exemplos de soluções que um CRM pode trazer para uma organização:

  • Ter uma visão melhor de toda a sua Jornada do Cliente;
  • Elaborar campanhas de marketing cada vez mais assertivas;
  • Ter um relacionamento muito melhor com seus clientes;Ter uma melhor gestão e retenção de conhecimento na empresa;
  • Otimizar a produtividade e eficiência da sua equipe de vendas;
  • Entender onde estão os erros no seu processo de vendas e ter a possibilidade de repará-los;


Definir como a empresa pretende se relacionar com seus clientes 

Para responder essa questão, é muito importante conhecer bem seus clientes!  Entender quais pontos eles consideram mais relevantes na escolha de onde comprar, seus gostos e preferências é fundamental.

Tendo isso em mente, torna-se possível definir qual o tipo de relacionamento que sua empresa terá com cada cliente. Alguns exemplos de relacionamento baseados nas preferências do cliente são:

  • Relacionamento baseado na qualidade do produto;
  • Relacionamento baseado na necessidade do cliente pelo produto;
  • Relacionamento baseado nos preços do produto;

 Uma vez definido qual o tipo de relacionamento que a empresa deseja ter com o cliente, resta definir os próximos passos. Deve-se criar um plano de comunicação bem articulado, analisando todos os touchpoints entre a empresa e o cliente, sempre priorizando um melhor relacionamento e consequentemente uma maior satisfação do cliente.

Isso será fundamental para que se possa estruturar o sistema com uma jornada que represente o processo de venda da sua empresa, uma vez que o setor de vendas varia muito de empresa para empresa (imagine as diferenças existentes entre as vendas de uma loja de roupa e de uma consultoria em gestão!).

Alinhamento com a equipe e desmistificação 

A princípio, um CRM pode ser recebido com certa inimizade e desconfiança por parte da equipe de vendas. Isso se deve ao fato de que vendedores são, muitas vezes, pragmáticos e fechados à utilização de novas tecnologias. Acreditam que é apenas uma forma de serem monitorados ou uma burocracia a mais, o que pode fazer com que eles não vejam muito valor nos benefícios que essa ferramenta pode trazer.

Tendo isso em vista, é necessário traçar planos de ação para quebrar essa resistência da equipe. Para isso, é de grande importância que o time de vendas consiga entender que a utilização de um CRM pode otimizar sua produtividade e facilitar seu trabalho em muitos pontos. Listamos alguns:

  • Todas as informações a respeito de clientes estarão centralizadas num único lugar;
  • Terão um histórico de todas as negociações com todos os clientes;
  • Poderão negociar com vários clientes simultaneamente;
  • Serão avisados para não perderem compromissos importantes;
  • Terão um panorama maior sobre todas as negociações, sabendo se está na hora de desistir daquela oportunidade ou se o cliente só precisa de um gatilho para fechar negócio;

Apesar de ser uma ferramenta muito inteligente, continua dependendo 100% das pessoas. Por isso, após ter um alinhamento com a equipe, é necessário mantê-los engajados quanto ao uso da ferramenta. Reconhecimentos para membros que a estão utilizando corretamente e trazendo resultados satisfatórios é uma forma interessante de motivar a equipe a utilizar a ferramenta cada vez mais e melhor. Esse monitoramento pode ser feito facilmente em quase todo CRM, visto que também é uma ferramenta de medição e controle de produtividade.

Escolher o CRM ideal

Atualmente, o mercado oferece diversas ferramentas de CRM, todas com seus pontos fortes e fracos. Cabe a você, como gestor, decidir qual será a melhor opção para o seu negócio. Alguns pontos interessantes a serem levados em questão são:

  • Simplicidade no layout e na utilização da ferramenta
  • Valor (custo x benefício)
  • Canais de suporte
  • Facilidade de customização
  • Integrações com outras ferramentas
  • Possibilidade de importar dados de planilhas excel e outros softwares para a ferramenta
  • Monitoramento através dispositivos móveis

Colocar em prática

Uma vez que você escolha o CRM ideal para sua empresa, resta colocar a mão na massa! Por ser uma novidade, os membros podem ter certa dificuldade nos primeiros dias. Para contornar esse obstáculo, é interessante que os processos do CRM sejam mapeados e um manual da ferramenta seja elaborado. Dessa forma, toda a equipe e novos funcionários poderão aprender a utilizar a ferramenta por conta própria e, em poucos dias, já estarão dominando o CRM.

 Considerações finais

Agora que você já sabe o que precisa fazer para implementar um CRM na sua empresa, o que está esperando? Mãos à obra! Ter uma ferramenta de CRM pode trazer resultados concretos para o setor comercial de uma empresa, basta ser implementada da maneira correta!

Estamos disponíveis para tirar quaisquer dúvidas!

 

 

Categorias
Gestão empresarial

Armazenamento em Nuvem: 8 Vantagens de Aplicar na Sua Empresa

Você sabia que atualmente a quantidade de fotos tiradas a cada 2 minutos equivale a todos os retratos do século passado? Pois é, um armazenamento comum não é mais o bastante para o volume de arquivos criados todo dia. Por isso, o armazenamento em nuvem, ou cloud computing, vem arrebatando o mercado de armazenamento atual.

Se você é o tipo de pessoa que odeia carregar  pen drives e armazenadores portáteis toda hora (afinal, a memória deles nunca é o bastante) e quer achar uma maneira de organizar seus arquivos da melhor forma, acredito que esse artigo será útil de alguma forma.

Nesse artigo, falaremos um pouco sobre o conceito do armazenamento na nuvem e alguns benefícios que ele é capaz de trazer. Boa leitura!

Conceito

Pode parecer estranho, mas você tem muito mais contato com a nuvem do que imagina. Diversas empresas já funcionam em função da nuvem, como é o caso do Spotify, da Netflix e do Facebook. Sim, todas estas empresas utilizam a  nuvem para melhorar o seu desempenho e, ao utilizar seus programas, você também está usando a nuvem.

O armazenamento em nuvem é nada mais nada menos do que um sistema de armazenamento online de grande porte que funciona a partir da conexão de diversos servidores espalhados pelo mundo, formando uma rede que age em conjunto, como um ecossistema virtual voltado para o armazenamento de dados.

Achou confuso? Então, na prática, trata-se  de um pendrive virtual gigante!

As empresas especializadas em cloud computing emergiram devido a necessidade de armazenar a quantidade de dados que cresce exponencialmente, dia após dia. Sendo assim, a nuvem funciona como um serviço, e não como um produto. As empresas que oferecem esse tipo de serviço funcionam de forma personalizada para atender a demanda de seus clientes, otimizando suas atividades de maneira considerável.

Benefícios

Agora que você já entende melhor o conceito, vamos avançar para os benefícios! Listamos os oito principais:

1. Redução de Gastos

Ao adotar o cloud computing na sua empresa, torna-se  desnecessário investir em hardwares de extensões de armazenamento ou em potentes computadores com vasta memória, já que a nuvem não requer nenhum sistema complexo para usá-la e ainda permite uma gigante capacidade de estoque de dados. Portanto, a nuvem proporciona flexibilidade de uso a seus clientes, evitando desperdício. Afinal, nem sempre o armazenamento comprado serve exatamente para o que a empresa precisa.

Além disso, você poupa de gastar com custos de manutenção e aprimoração dos seus sistemas, já que é responsabilidade dos próprios fornecedores melhorar o serviço oferecido.

Dados da empresa CDW afirmam que das empresas que aplicaram a nuvem a seu sistema, 76% tiveram seus custos reduzidos.

CTA Planilha fluxo de caixa

2. Centralização de Dados

Muitas vezes é difícil lidar com diferentes softwares ao mesmo tempo o que, eventualmente, pode causar desorganização de informações pela grande quantidade de possibilidades de armazenamento. Ao utilizar a nuvem, os seus arquivos se centralização em um único local, facilitando o gerenciamento de dados e otimizando o processo de busca.

E ainda por cima, com a reunião de dados em um único local, a criação de um banco de dados é potencializada, colaborando para a evolução da empresa com o registro de expertise.

 

3. Portabilidade

Por ser online, o sistema torna-se acessível em qualquer lugar, por qualquer aparelho, a qualquer hora, desde que haja conexão via internet. Assim facilitando o acesso a arquivos pelos donos, permitindo a edição de documentos remotamente. Solucionando o problema daqueles que odiavam ter de carregar consigo um dispositivo móvel a todo momento para trabalhar.

Outro ponto é o compartilhamento de arquivos, que graças a portabilidade, torna possível a interação de mais pessoas dentro do mesmo, simultaneamente, podendo editar, visualizar, e assim trabalhar em conjunto com melhor performance, mesmo a distância.

 

4. Flexibilidade

Por se tratar de um serviço, e não um produto, se diferencia dos armazenadores clássicos. A nuvem permite que o cliente à adapte a suas necessidades. Diversas empresas permitem que o cliente aumente e diminua seu contrato de acordo com sua demanda pela memória à se utilizar. Funcionando ao estilo “Just-in-Time”, o sistema poupa gastos desnecessários com dados.

Ademais, existem diversos serviços disponíveis no mercado, que vão suprir as necessidades certas da sua empresa de maneira diferente, são os principais: IaaS; Paas; e o Saas.

 

5. Sustentabilidade

Toda personalização de serviço também impacta positivamente no meio ambiente, pois a nuvem armazena arquivos on-line, de maneira centralizada, provocando  um decréscimo nos gastos indiretos de funcionamento, como energia, já que otimiza o acesso de diversos usuários; de papel, por diminuir a necessidade de impressão de alguns documentos pela sua digitalização; entre outros, que em somatória, colaboram para a melhora do meio ambiente.

 

6. Segurança

É natural que por se tratar de um sistema virtual, em que não se saiba quem é o dono diretamente, ou não possa ser localizado, o cloud computing cause receio a novos  usuários. Pois bem, é justamente nestes quesitos que a segurança do sistema surge. Em função da diversidade de servidores espalhados por todo mundo, os provedores atuam fracionando arquivos entre os servidores, deste modo, uma eventual invasão em um servidor não dará acesso a um arquivo completo, dificultando seu roubo. Somando a isso, as empresas prezam pela segurança combinando essa funcionalidade com uma complexa criptografia de software.

Outro ponto a ser tratado, é a resiliência proporcionada pela nuvem, que combina fatores de segurança com o de portabilidade, destacando que uma eventual falha de algum servidor não implicará com a falha de todo sistema. Um desastre, como curto circuito na empresa, por exemplo, não afetaria seus documentos.

CTA 4 ferramentas essenciais de recursos humanos 1

7. Otimização

Agora o principal ponto pelo qual foi criado  o armazenamento em nuvem vem a tona, pois a junção de todos os fatores citados anteriormente potencializa os processos da empresa. Poupando seus colabores de tarefas como buscas incessantes e preocupações com otimização de sistema, permite o direcionamento dessa energia para o melhor funcionamento de processos de maior impacto no core business de seu empreendimento. Potencializando a produtividade da empresa.

 

8. Agilidade

Gostou de tudo que a nuvem pode te oferecer mas não sabe sobre como implementar o sistema dentro de sua empresa? Não se preocupe! Os sistemas de nuvem são em sua maioria muito simples e intuitivos, sua aplicação é muito rápida, são necessários alguns treinamentos da equipe e pronto! Os arquivos já existentes no seu sistema são facilmente convertidos para a nuvem.

Conclusão

A FCAP JR. Consultoria é especializada em Workshops, treinamentos e elaboração de manuais para o melhor desempenho dos colaboradores. Em caso de qualquer necessidade, sinta-se à vontade para entrar em contato conosco