Categorias
Novos negócios

Você sabe o que é um Focus Group e Como Isso Pode Embasar suas Decisões de Negócio?

O Focus Group, ou “discussão em grupo”, é um modelo de pesquisa de mercado presencial, categorizada como qualitativa, em que pessoas previamente selecionadas são reunidas para discutir sobre um assunto em questão e prover assim, insumos para um estudo mais incisivo de tendências e comportamentos. Os participantes são estimulados, por um moderador, a interagir e responder perguntas pré estabelecidas, fomentando assim uma discussão e interação entre os participantes.  

As pessoas selecionadas seriam “amostragens” de um público real, isso é, representativos de uma quantidade factual. Muitas empresas usam dessa metodologia para conhecer seu consumidor e testar a aceitação de um produto antes de ser lançado no mercado.

Por exemplo, uma empresa alimentícia pode providenciar uma discussão em grupo com intuito de testar a aceitação de um novo produto em uma determinada área e a determinados consumidores. Essa empresa então pode usar o Focus Group para conseguir insumos de conhecimento sobre o tal produto e assim direcionar assertivamente suas vendas.

Para que serve o Focus Group?

O Focus group é um método muito usado por empresas para conseguir compreender o pensamento e a percepção do grupo representativo, independente da empresa contratante. A partir dos diálogos e interações entre as pessoas do grupo, pode-se extrair materiais de estudo palpáveis, ao expor tendências de comportamento e pensamento transparecidos pelos membros da amostragem.   

Por que usar o Focus Group?

  • Possibilita a elaboração de novas ideias a partir do que se foi constatado nas pesquisas. O método, por ser de extremo cunho psicológico, possibilita o entendimento de demandas e motivações pessoais dos participantes, que podem apontar uma padronização de consumo e permitir criação de novas vertentes que abordam essas demandas de compra.  
  • O focus Group pode ser uma ferramenta de marketing sutil e quase invisível, com a finalidade de fornecer ao desenvolvedor, as preferências de mercado sob um aspecto puramente psicológico. Por que e como algumas marcas conseguem atrelar seu produto/serviço a qualidade e primor? A intenção é justamente entender o que se passa na cabeça do consumidor ao comprar o determinado produto; seus gatilhos de compra e outros aspectos que despertam desejo.
  • Esse modelo de pesquisa também se caracteriza por estabelecer uma maior compreensão dos hábitos de consumo. É um modelo de pesquisa de mercado de baixo custo, rapidez de fornecimento de dados e alta credibilidade de resultados.

Desvantagens do Focus Group:

  • Os insumos obtidos das discussões em grupo servem apenas como escopo para estudos mais direcionados da área em questão. Portanto, não se tiram conclusões definitivas dos Focus Group, uma vez que se trata de uma representação do cenário tangível, mas são efetivos ao fornecer rumo e orientações às pesquisas fundamentadas.
     
  • É de conhecimento científico o fenômeno observance interference ou “interferência do observador”, e constata que a mera presença de um moderador ou observador pode ser um elemento influenciador.
  • Os participantes podem se sentir pressionados por estarem em um ambiente com outras pessoas, por insegurança ou receio de julgamentos.
  • A interferência pode também ser simplesmente pelo fato do participante estar ciente de seu envolvimento em um pesquisa Focus Group.   

Como funciona?  

Existem diversas maneiras de conduzir um Focus Group, sendo esse modelo flexível e adaptável aos termos do propósito do estudo. Muitas empresas escolhem esse método por extrair a essência do anseio dos consumidores, podendo então embasar muitas pesquisas mais concretas acerca do assunto.  

Válido mencionar também que em uma discussão em grupo, não apenas as respostas estão sendo analisadas mas sim todo o âmbito comportamental dos envolvidos, isso é, são levados em conta também além das respostas diretas, gestos, expressões faciais, sons, padrões de comunicação, emoções. Tudo que possa, em suma, acrescentar à esfera qualitativa da pesquisa.  

Os Focus Groups podem ter modelos de execução diferentes, variando de acordo com seu intuito.  

  • Grupos de 4 a 6 pessoas ( os chamados “mini” Focus Group)
  • Grupos de 8 a 12 pessoas
  • Grupos com 1 moderador
  • Grupos com 2 ou mais moderados   
  • Existência de um observador escondido (assistindo por meio de um falso espelho ou por filmagens)  
  • Existência de um observador anônimo (infiltrado no grupo de participantes a fim de conseguir respostas mais genuínas)  
  • Os clientes da pesquisa podem de alguma forma observar a discussão. Neste caso é utilizado um vidro espelhado na sala.

Elementos básicos de execução de um Focus Group:

  • De 8 a 12 pessoas no grupo de participantes.  
  • Presença de no mínimo 1 moderador.
  • Sala monitorada (com câmeras, por exemplo).  
  • Ambiente confortável e convidativo.  

Como elaborar um Focus Group:

  • Definir e esclarecer propósito do estudo.  

É importante estabelecer as premissas do trabalho, a fim de organizar os objetivos primários  da pesquisa e traçar vertentes de atuação relevantes. Nessa fase inicial, é imprescindível o estudo prévio da área de atuação, coleta de dados secundários e definição de público-alvo.  

  • Formular escopo de estudo. 

Nessa fase o organizador vai definir a métrica da pesquisa e todas suas condutas. É nesse momento crucial em que são definidas meio de linguagem, seleção de todos os envolvidos (recrutamento de moderadores e participantes), formular e validar lista de perguntas, escolha do local, preparar e habilitar moderadores e decidir que tipo de Focus Group vai ser conduzido.  

  • Executar modelo formulado. 

Nessa etapa vão ser executadas todos as diretrizes elaboradas na fase de formulação. Válido mencionar que nesse momento também é de suma importância a verificação desses pontos em ação. Verifica-se ambiente confortável e convidativo (é aconselhável que lanches sejam disponibilizados aos participantes) e se o ambiente está sendo devidamente monitorado.   

  • Analisar insumos. 

Na fase final, são analisadas as respostas e todos os insumos gerados a partir da discussão em grupo. Não apenas as respostas em si devem ser levadas em conta, mas todos os acontecimentos durante o processo. O rumo positivo ou negativo que a  conversa foi levada após uma pergunta ( demonstra a posição e opinião do grupo de maneira mais implicativa), gestos e expressões faciais, o contexto dos participantes, manifestação de emoções.  

Pontos importantes na execução de um Focus Group:

  • O moderador deve interferir o mínimo possível durante as discussões.  
  • O moderador deve ser neutro e não deverá implicar sua opinião, ideologias e princípios na discussão.  
  • A conversa deve ser livre e sem manifestações de julgamento.
  • A conversa deve ser sutilmente liderada pelo moderador, mas livre e aberta para os participantes.
  • O moderador deve apresentar as regras de conduta e tom de voz da conversa no início da discussão.  
  • É dever do moderador criar um ambiente acolhedor e convidativo para discussões, os participantes devem se sentir à vontade para expor suas opiniões.
  • A empresa contratante deve permanecer anônima para evitar que as as respostas sejam subconscientemente influenciadas.

A pesquisa de mercado fornece material para o embasamento na tomada de decisões cruciais. É de extrema importância pois permite conhecimento dos consumidores, do setor de atuação e do público-alvo, garantindo o direcionamento assertivo das áreas atuantes da empresa. A FCAP JR. Consultoria oferece em seu portfólio o serviço de Pesquisa de mercado com ênfase em Focus Group. Basta clicar aqui para contatar nossos consultores, e saber mais sobre como embasar assertivamente suas decisões de negócios e impulsionar resultados

Categorias
Gestão Financeira

Como fazer o controle de caixa da sua empresa? + [Planilha de Fluxo de Caixa grátis]

Você sabia que cerca de 50% das empresas fecham nos primeiros 4 anos?

E que grande parte desta mortalidade empresarial se dá pelo fato delas não possuírem um controle de caixa bem feito?

Para o empreendedor possuir uma boa gestão financeira, o primeiro passo é ter um bom controle de caixa.

Ou seja, ter o domínio para acompanhar a movimentação financeira em um determinado período de tempo, no qual entradas e saídas de capital são registradas para verificação e análise.

Mas você ainda não sabe como fazer o controle de caixa efetivo da sua empresa e quer aprender agora e sair daqui colocando em prática?

Continue lendo e veja como!

O que é o controle de caixa?

O controle de caixa é a forma de monitorar e ter controle das entradas e saídas de dinheiro do negócio.

E, só a partir desse controle, que é uma ação básica e indispensável da gestão financeira, é possível contar com uma verdadeira base de dados.

Com o controle financeiro, o dono do negócio tem os subsídios necessários para as tomadas de decisões.

E dentre essas conclusões, as principais serão:

  • Prever, planejar e controlar entradas e saídas em um período determinado;
  • Avaliar se o recebimento por vendas será suficiente para cobrir gastos assumidos e previstos;
  • Antecipar decisões quanto à falta ou à sobra de dinheiro;
  • Descobrir se a empresa está trabalhando com aperto ou folga financeira;
  • Ter subsídios para ajustar o preço de venda para cima ou para baixo;
  • Verificar a possibilidade de realizar promoções e liquidações;
  • Confirmar se os recursos financeiros próprios serão suficientes para tocar o negócio ou se há necessidade de buscar dinheiro extra.

Aprenda mais um pouco sobre o que é o controle de caixa no vídeo abaixo feito pelo Sebrae Minas

Qual a importância do controle caixa para a empresa?

Como vimos, o fluxo é muito importante para demonstrar se você está tendo lucro ou prejuízo.

Então vamos ver um exemplo muito comum no cotidiano de todo empresário e entender como essa ferramenta pode ajudar o empreendedor, na prática.

Exemplo de uso do controle de caixa

Um empreendedor decide fazer uma promoção para atrair mais clientes e para isso acabou abaixando o valor dos seus produtos.

A boa notícia é que ele vendeu 25% a mais do que nos períodos anteriores, tendo de receita um total de 35 mil.

Infelizmente, o que o empreendedor não previa era que a promoção fosse aumentar suas despesas com divulgação, comissão e custos de forma tão considerável, somando um montante de 33 mil reais.

Sendo assim, através de um controle de caixa, o empresário,  que estava animado com as receitas, percebeu que seu lucro não foi tão significativo assim.

Apesar de o controle de caixa ter trazido uma notícia ruim para o empreendedor, podemos concluir que foi a partir dessa ferramenta que o empresário percebeu que deve seguir outros caminhos para obter maior lucro.

Por isso ela se torna indispensável para todo e qualquer empreendedor que deseja ter um negócio sustentável.

Como fazer o controle de caixa na sua empresa: passo a passo

1. Tenha uma ferramenta financeira para o controle de caixa

O primeiro passo para ter um bom controle de caixa é possuir uma ferramenta financeira, que pode ser uma planilha ou um software.

E sabendo dessa necessidade, já construímos uma planilha completa para você poder usar no controle de caixa da sua empresa.

Baixe ela clicando no banner abaixo.

super planilha de fluxo de caixaPowered by Rock Convert

2. Crie o centro de custos do seu negócio

O segundo passo é entender o seu negócio, saber quais são seus custos e suas despesas para que você possa criar seu centro de custos.

E, para isso, você precisa entender o que são custos e despesas.

Custos

Os seus custos estão 100% ligados à sua produção ou prestação de serviço, portanto variam de acordo com a quantidade produzida.

Como:

  • Matéria-prima;
  • embalagens;
  • insumos de produção;
  • mão-de-obra de produção e/ou de execução dos serviços;
  • mercadorias adquiridas para revenda.

Despesas

Já as despesas são valores gastos relacionados com a estrutura de administração da empresa.

Como por exemplo:

  • Aluguel;
  • água;
  • luz;
  • telefone;
  • salários administrativos;
  • manutenção;
  • contador;
  • pró-labore;
  • despesas financeiras.

Após elencar quais são as suas futuras despesas e custos, é importante validar o que você fez, seja com um contador ou com outro especialista na área financeira e com empresas do mesmo ramo e segmento que a sua.

Uma ótima dica é elaborar um plano de contas, que é uma maneira eficiente de agrupar despesas e receitas, para uma melhor análise de partes do negócio.

exemplo de plano de contas
Exemplo de plano de contas por Treasy

Mas, a criação de um plano de contas vai depender diretamente do tamanho e das conveniências da empresa.

E para melhor controlar a entrada e a saída de dinheiro, mesmo sendo uma pequena empresa, é conveniente separá-la em vários centros de custos.

No mínimo, uma empresa deve ter 3 centros de custos, que podem ser, como sugestão essas:

  1. Administração
  2. Vendas e publicidade ou consultoria
  3. Divulgação e produção

Mas o importante é dividir a empresa em áreas determinadas, o importante é saber com o que está sendo gasto o dinheiro e a que área corresponde esse gasto.

Haverá, portanto, despesas referentes a somente um centro de custos (por exemplo, publicidade) ou despesas que tenham sido feitas por mais de um centro de custos (consultoria e produção, por exemplo).

Se as despesas relacionam-se a mais de um centro de custo, o ideal é que sejam divididas entre eles.

Você também deve preencher as suas Contas de Receita de acordo com cada grupo de receita existente.

3. Faça o registro das despesas e receitas da empresa

O terceiro passo para ter um controle de caixa eficaz é registrar todas as receitas e despesas que acontecem na sua empresa.

Para isso, você deve entender qual a movimentação financeira da sua empresa e assim fazer com que exista a necessidade de alimentar esse fluxo de caixa.

E dependendo do negócio, é preciso alimentar o controle de caixa diariamente, já em outros casos semanalmente já é suficiente.

Por fim, quando for fazer um lançamento é preciso colocar a:

  • Data da receita ou despesa
  • Categoria
  • Qual o plano de contas
  • Qual é a receita ou despesa
  • Valor referente a ela
  • Status.

4. Faça análises financeiras e tire conclusões

O quarto passo é fazer análises financeiras com seu fluxo de caixa, tendo em vista que, sozinho, o controle de caixa não fornece respostas conclusivas.

Destacamos que ele é apenas um instrumento que ajuda as empresas a definirem o planejamento com dados mais precisos.

Então, para ter uma visão mais completa, alguns tipos de análise que devem ser feitas são:

Análise de liquidez

Significa entender o comportamento de entradas e saídas de caixa ao longo do mês.

É a partir dessa análise que você poderá saber se existe uma necessidade de dinheiro no caixa para os próximos dias.

Passo 1

Faça uma análise de liquidez é já ter uma planilha onde você atualiza as entradas e saídas de dinheiro.

Passo 2

Analise e entenda qual o comportamento das entradas e saídas ao longo do mês.

Isto é, se o saldo fica negativo ou positivo e qual o motivo deste resultado.

Passo 3

Por fim, o terceiro passo é tomar decisões acerca da sua análise.

Se o seu saldo está negativo em determinada época do mês, é preciso analisar quais são as suas opções para conseguir ter sempre um caixa positivo.

Isto é, analisar se vai ser preciso recorrer a formas de empréstimos a curto prazo ou ainda tentar redefinir prazos pagamentos para colaboradores e fornecedores.

Mas, se seu saldo estiver sempre positivo, uma boa prática e plano de ação para melhorar seu resultado é saber quais são os fornecedores que você conseguirá desconto por pagar antes do prazo e assim aumentar sua receita.

Exemplo de aplicação da Análise de liquidez

Uma empresa realiza todos os seus pagamentos no dia 5. No entanto, seu único cliente faz o pagamento no dia 15 do mesmo mês.

Assim, a empresa passa 10 dias utilizando de empréstimos de curto prazo, com altas taxas de juros e termina o mês com saldo negativo.

A solução para o caso é que empreendedor é negociar com seus fornecedores e colaboradores para realizar o pagamento apenas depois do dia 15.

Dessa forma, ele ficaria com saldo positivo durante todo o mês, diminuindo inclusive suas despesas financeiras.

Análise Estratégica

Já a análise estratégica é feita com base nos saldos de caixa da empresa e na análise de liquidez.

O objetivo sempre é identificar onde o empreendedor perde mais dinheiro e como diminuir essa perda.

Para fazer essa análise o empreendedor deve ficar atento ao:

Contas à Receber

Saber qual a quantidade de dinheiro deve receber, quanto vai ser pago à vista e quanto vai ser pago à prazo, se existirá inadimplência no período dos clientes, entre outros.

Contas à  Pagar

É preciso adiar os pagamentos tanto quanto possível, sem perder o prazo de pagamento e se comprometendo a pagar juros.

Por isso é inteligente negociar com empresas que fornecem o prazo de pagamentos maiores e não fazer pagamentos antecipados sem receber o benefício apropriado.

Estoque

O objetivo é fazer o estoque girar o mais rápido possível, sendo assim é preciso realizar compras sensatas, liquidar mercadorias obsoletas e de baixa movimentação e procurar formas de pagamentos estendidos para a compra de matéria-prima e materiais.

Folha de Pagamento

É importante manter o salário dos funcionários em dia, sem melhorar sua posição de caixa as custas dos seus funcionários.

Por isso é importante ficar atento a data de pagamento estipulada, considerar os benefícios e incentivos, e melhores momentos para promoções e contratações.

Ficando atento a essas principais despesas e gastos o empresário teria mais condições de poupar e fazer futuras aquisições, seja para comprar novas máquinas ou abrir uma nova filial.

Conclusão

Segundo a Endeavor, 60% das empresas que fecham são lucrativas, mas por não ter uma boa gestão financeira acabam entrando em falência.

Sendo assim o controle de caixa é uma ferramenta indispensável para o empreendedor conseguir alavancar seus resultados e se precaver de possíveis problemas que possam acontecer.

Por isso nós, da FCAP JR. Consultoria, elaboramos uma planilha de fluxo de caixa, que aborda um passo a passo que deve ser seguido para criar um controle efetivo das entradas e saídas de caixa.

Clique abaixo, e baixe gratuitamente!

super planilha de fluxo de caixaPowered by Rock Convert